Isabel Cristina Rodrigues: entrevista (I)

ICR

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Isabel Cristina Rodrigues é professora na Universidade de Aveiro. Na sequência de uma já longa dedicação à obra de Vergílio Ferreira, acaba de editar, na Angelus Novus, o volume ensaístico A Vocação do Lume. Publicaremos, a partir deste post inicial, uma entrevista que a autora nos concedeu sobre o seu livro.

Pode apresentar este livro aos leitores? De que consta, de facto?

Este livro reúne uma série de textos que, ao longo de alguns anos (2000-2005), fui escrevendo sobre a obra de Vergílio Ferreira e que foram sendo apresentados numa série de colóquios, alguns dos quais sobre a obra do escritor. Apesar de todos os ensaios que aqui se encontram terem sido já publicados (em volumes de actas dos referidos colóquios ou em revistas de literatura), pareceu-me que eles apresentavam uma certa unidade e que poderiam, por isso, ganhar com o seu agrupamento num volume único. É claro que, se fosse a escrevê-los hoje, pelo menos em alguns casos a escrita seria já outra, diferente daquela que foi, mas ainda assim não me pareceu oportuno alterá-los em profundidade, pela simples razão de que cada um deles tem a idade que tem, o que significa que têm exactamente a idade que eu tinha ao escrevê-los e assim é que deve estar certo. Por outro lado, a relativa unidade que vim agora a encontrar nestes ensaios mostrou-me que, mesmo sem ter tido disso plena consciência, o trilho que eu persegui, desde o início, na abordagem da obra de Vergílio Ferreira (no fundo, o da manifestação literária do fogo como metáfora do limite e da sua ambivalência) se manteve sempre sem praticamente nenhum desvio de rota, o que não deixa de ser curioso. Apesar de eu não me considerar uma pessoa nada narcisista, este facto se calhar diz mais de mim do que da obra do escritor, mas provavelmente é sempre assim com tudo o que escrevemos. Eu costumo dizer aos meus alunos que, mais do que aquilo que sabemos, ensinamos sempre aquilo que somos e, obviamente, isso é também visível em algo tão pessoal como a escrita.

Pode explicar-nos o título do livro?

De certo modo acabei de o fazer. Como também escrevo na curta nota prefacial do livro, a obra de Vergílio Ferreira foi-se consolidando, praticamente desde o seu início, sob o signo do lume, essa matéria incandescente de que é feito o homem, com as suas inquietações e os seus sonhos, procurando sempre na ambivalente experiência do fogo (que destrói, mas que ilumina e purifica também) uma implícita via de acesso ao sentido. Por isso A Vocação do Lume. A decisão de manter no título a palavra lume em vez de fogo decorre de uma espécie de homenagem que me apeteceu fazer às raízes beirãs do autor, sobretudo às duras invernias da Beira-Alta onde sempre crepitava, por entre rudes panelas de ferro, o lume acolhedor da infância, tantas vezes referido em algumas das suas obras.  Embora as panelas de ferro estejam cada vez mais em desuso, ainda hoje nas franjas da Serra da Estrela ninguém diz «vou acender a lareira», mas «vou acender o lume». E ser beirão, pertencer simultaneamente à dureza e ao silêncio daquela terra foi também para Vergílio Ferreira uma vocação.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: