Tasos Leivaditis, por Manuel Resende (I)

Tasos Leivaditis nasceu em 1922 em Atenas e aí morreu em 1988. Entrou na poesia e na resistência contra os alemães desde muito novo (Batalha na Extrema da Noite, Esta Estrela É para Todos Nós, os dois primeiros livros de uma obra que contou com mais de duas dezenas de títulos, retraçam precisamente essa experiência), esteve deportado entre 1948 e 1952, foi julgado, em 1955, pelo seu livro Sopra o Vento nas Esquinas do Mundo. Calado mais uma vez pela ditadura dos coronéis (sobreviveu de traduções), veio mais tarde a enveredar por uma poesia agri-doce, de reflexão íntima, mas sempre marcada pela experiência da juventude. O seu livro póstumo Os Manuscritos do Outono espelha essa tendência. Os poemas que agora publicamos são traduzidos por Manuel Resende, a quem agradecemos.

IDEOLOGIA 1

Tinha um braço maneta e para o esconder
Andava sempre com uma bandeira.

IDEOLOGIA 2

Foram tantas as cadeiras com que nos tentaram
Por isso agora fico sempre de pé como para cantar a Internacional.

ORAÇÃO

Deus, nunca te percebi e, mesmo que te percebesse, não podia com o teu peso.
Deus, com esta realidade tão reles à nossa volta corres grande perigo.
Como posso eu salvar­‑te?

Advertisement

Uma resposta

  1. E para quando a tradução integral de um livro deste senhor?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers gostam disto: